PROFESSORA DO CCS CONTRIBUI EM LIVRO SOBRE CONCEPÇÃO, GRAVIDEZ, PARTO E PÓS-PARTO.

CCS


atualizado 2 semanas atrás


André Ludwig*

Agência UEL

Lançado na última semana, o livro “Concepção, gravidez, parto e pós-parto: perspectivas feministas e interseccionais” reúne uma série de reflexões que envolvem a evolução das políticas de saúde voltadas para as mulheres ao longo dos anos. A professora do Departamento de Saúde Coletiva (CCS) Marselle Nobre de Carvalho é autora de um dos capítulos que compõem a obra. O livro foi produzido pelo Instituto de Saúde, vinculado ao Governo do Estado de São Paulo.

Com a contribuição de pesquisadoras de várias frentes de estudo, a obra se direciona a questões que vão de interseccionalidade a adoção. Com o propósito de evidenciar a confluência entre questões referentes à saúde e as de caráter social, o livro traça um paralelo histórico que converge em análises em várias áreas, sempre destacando os avanços que os debates sobre “concepção, gravidez, parto e pós-parto” têm ganhado nos últimos 50 anos.

A professora Marselle de Carvalho é autora do capítulo intitulado “Gênero, raça, classe e seus impactos na vida da mulher negra no Brasil”. Ela explica que sua participação na obra derivou de um convite feito pela ex-docente do Depto. de Saúde Coletiva da UEL Josiane Germano, doutoranda na Universidade de São Paulo (USP). Foi através de Josiane que Marselle entrou em contato com as organizadoras do livro, as docentes Carmen Simone Grilo Diniz, Luana Lemes e Fabiana Santos Lucena.

Marselle explica que desenvolveu um capítulo teórico conceitual que traz uma relação de tempo e espaço, citando pensadoras negras estadunidenses e brasileiras, como, por exemplo, Angela Davis e Sueli Carneiro. “Escrever um capítulo como este sem recorrer às pensadoras negras seria cometer uma falha logo na sua concepção”, reflete.

A professora também destaca que o capítulo é fundamental para compreender conceitualmente temas que os outros capítulos vão abordar ao longo do livro. “Nós mulheres não somos iguais e não sofremos opressões das mesmas formas. As mulheres pretas sofrem inúmeras intersecções que se referem à raça, gênero e classe”, frisa. 

A obra integra a coleção “Temas em Saúde Coletiva” do Instituto de Saúde e visa contribuir para a formação de profissionais da área da Saúde Coletiva. Acesse a versão digital gratuitamente.

*Estagiário de Jornalismo na COM/UEL.

Leia também