Memorial Feminicídios PR

A falta que faz: memorial das vítimas de feminicídio no Paraná

Não são números, são vidas.
O feminicídio deixa uma ferida profunda em nossa sociedade, arrancando de nós mulheres incríveis que fizeram a diferença em suas comunidades e em nossas vidas. A perda dessas mulheres não é apenas um golpe para seus entes queridos, mas para todas e todos nós, pois cada uma tinha uma vida e uma história a ser vivenciada.
A invisibilidade da violência contra as mulheres tem perpetuado um ciclo de dor e opressão, e é nosso dever garantir que a memória dessas mulheres seja honrada e que a magnitude da sua falta seja reconhecida. Elas não são apenas números ou estatísticas, são mães, filhas, irmãs e amigas cuja ausência é profundamente sentida todos os dias.
Nesse espaço, vamos contribuir para a garantia de que essas mulheres nunca sejam esquecidas, e que a dor de sua perda sirva como um catalisador para a mudança.
Ao compartilharmos suas histórias, não apenas honramos suas memórias, mas também destacamos a urgência em abordar e prevenir a violência contra as mulheres em todos os seus aspectos.
Juntas, podemos garantir que suas vidas, seus sonhos e suas lutas não sejam esquecidos, e que possamos trabalhar para criar um futuro em que nenhuma mulher tenha que viver com medo.
Não podemos esquecer que por trás de cada número, há uma vida perdida, uma história interrompida simplesmente por ser mulher. É imperativo que reconheçamos e enfrentemos essa realidade, pois só assim poderemos trabalhar para erradicar a violência de gênero e honrar a memória de todas as mulheres cujas vidas foram violentamente ceifadas.

Em memória das vítimas. Em defesa das vivas.

 

Você faz falta, Rozélia!

Era um sábado, dia 7 de janeiro de 2023, quando Rozélia, de 50 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu ex-marido, José Dirceu, de 61 anos. O feminicídio ocorreu em Araucária, no Paraná. Rozélia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.

Rozélia, não esquecida, sempre valorizada.

Daniele e Emillyn, vocês fazem falta!

Era uma quinta-feira, dia 12 de janeiro de 2023, quando as vidas de uma mãe e filha, Daniele Richalski Favaro e Emillyn Richalski Tracz, chegam ao fim. A mulher com apenas 41 anos e a jovem com 17 anos perderam a vida sem possibilidade de defesa. De padrinho da adolencente para feminicida, Wilson de Jesus, de 35 anos, foi o responsável pelo duplo feminicídio, em Campo Largo, no Paraná. A investigação aponta que Wilson cometeu o crime para mascarar a violência sexual que cometia contra Emillyn, desde quando ela era criança. Daniele e Emillyn não são mais números nas estatísticas. Elas são vidas que fazem falta. 

Daniele e Emilllyn, não esquecidas, sempre valorizadas.

Você faz falta, Dirce!  

Poderia ser mais um dia comum, 19 de janeiro de 2023, na casa de Dirce Missão, de 58 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente pela ex-nora, de 33 anos, em São João do Ivaí, no Paraná. Dirce já havia conseguido Medidas Protetivas de Urgência contra a feminicida, mas não foi suficiente para sua defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Dirce, não esquecida, sempre valorizada.

Giovanna, você faz falta! 

Poderia ter sido um dia comum, mas infelizmente não foi. Dia 26 de janeiro de 2023, quinta-feira, Giovana dos Santos Vaz, de 48 anos, perde a vida. O feminicida? Seu ex-companheiro que não aceitava o fim do relacionamento e a perseguia desde então. O femicídio aconteceu em Palmas, no Paraná e ela ficou desaparecida durante 36 dias, até encontrá-la em uma área rural. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Giovanna, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Kelly! 

Era mês de fevereiro, 2023, quando Kelly Cristina Alves, de apenas 27 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu em Ponta Grossa, no Paraná, pelo seu marido, Daverson, o principal suspeito. Kelly sobreviveu corajosamente conseguindo ser socorrida e encaminhada ao hospital, obtendo a oportunidade de prestar seu depoimento sobre o crime. Infelizmente o quadro clínico piorou e a vida de Kelly chegou ao fim, depois de muita luta. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Kelly, não esquecida, sempre valorizada.

Lígia, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, no dia 1º de fevereiro de 2023, na casa de Lígia da Silva Fragais, de apenas 19 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu marido, Renato, em Nova Prata do Iguaçu, no Paraná. Lígia, era mãe de duas crianças, com idade de 3 anos e 1 ano. O femicida, o pai, foi julgado em agosto de 2023 e recebeu a pena de 30 anos de reclusão e também condenado a pagar uma indenização em R$50 mil reais, em benefício dos filhos do casal, bem como a perda do poder familiar sobre as duas crianças. Ela é uma vida que faz falta.  

Lígia, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Cilene! 

Era um sábado comum, no dia 04 de fevereiro de 2023, no cotidiano de Cilene Aparecida Ferreira, de 52 anos, no entanto na parte da noite, sua vida chegou ao fim. O feminicida? Seu esposo, José Rodolfo. O feminicídio ocorreu na cidade de Maringá, no Paraná. Cilene perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Cilene, não esquecida, sempre valorizada. 

Doraci, você faz falta! 

Era uma noite de quinta-feira, no dia 09 de fevereiro de 2023, quando a vida de Doraci do Rocio Kanayama, de 58 anos, foi interrompida na sua própria residência. O feminicídio ocorreu na cidade de Ponta Grossa, no Paraná. A acusada do crime é sua filha Camila Mayumi Kanayama de 26 anos.  Doraci tinha mais um filho, de 33 anos e uma filha, de 28 anos. Doraci perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Doraci, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Mayara! 

Era uma noite de domingo, no dia 12 de fevereiro de 2023, na casa de Mayara dos Santos Dias, de 31 anos, quando sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu no município Fazenda Rio Grande, no Paraná. Mayara, mãe de duas crianças, também estava na espera do terceiro filho, com gestação de 12 semanas. Mayara perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Mayara, não esquecida, sempre valorizada.

Fernanda, você faz falta!

Em 13 de fevereiro de 2023, era para ter sido um começo de semana como outro qualquer, mas para Fernanda Sabrina de Lima, de apenas 27 anos, não foi. Fernanda foi brutalmente tirada de nós, na cidade de Ponta Grossa, estado do Paraná. Ela deixou três filhos e muita saudade. Fernanda perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Fernanda, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Vanda! 

Era para ser uma segunda-feira normal, no dia 13 de fevereiro de 2023, na casa de Vanda Teixeira Xavier, de 58 anos, mas infelizmente não foi. Vanda perdeu sua vida, na cidade de Uraí, no Paraná. O suspeito é um homem com quem a mulher teria um relacionamento amoroso. Vanda perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Vanda, não esquecida, sempre valorizada. 

Franciele, você faz falta! 

Era para ser uma terça-feira comum, dia 14 de fevereiro de 2023, na vida de Franciele Gonçales Bigarelli, de 41 anos, mas infelizmente não foi. Franciele perdeu sua vida e o feminicida? Seu primo, de 48 anos, considerado o principal suspeito. O feminicídio ocorreu na cidade de Rolândia, no Paraná, e a mulher deixou dois filhos, um de 19 e outro 20 anos. Franciele perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Franciele, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Edilene! 

Em 14 de fevereiro de 2023, uma terça-feira, um futuro cheio de possibilidades foi roubado e Edilene Souza de Oliveira, uma mulher negra de apenas 28 anos, teve sua vida interrompida. Existem dois suspeitos de participação no feminicídio e um deles responde por outros dois homicídios em datas anteriores. O feminicídio ocorreu em Jaguariaíva, no Paraná. Edilene fazia publicações nas redes sociais identificando-se com o movimento LGBTQIA+. Ela deixou três filhos, com idades entre 4 e 10 anos. A perda de Edilene não é um número nas estatística. Era uma vida.  

Edilene, não esquecida, sempre valorizada. 

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com nome não divulgado, de 56 anos, teve sua vida interrompida no sábado, dia 25 de fevereiro de 2023. O feminicídio ocorreu na residência da vítima e foi cometido supostamente pela neta, de 17 anos, e seu namorado, também menor de idade, na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Cacilda! 

Era sábado, no dia 04 de março de 2023, na casa de Cacilda Freire dos Santos, de 46 anos, quando sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu em São José dos Pinhais, no Paraná.  Cacilda perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Cacilda, não esquecida, sempre valorizada.

Caroline, você faz falta! 

Era para ser mais uma sexta-feira comum, dia 24 de março de 2023, na vida de Caroline Aparecida Pinheiro, de apenas 28 anos, mas infelizmente não foi. Caroline perdeu sua vida, na cidade de Pontal do Paraná, no Paraná. Caroline perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta. 

Caroline, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Giovanna! 

Era um sábado, dia 25 de março de 2023, quando Giovanna das Graças Antunes, de 49 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos.  O feminicídio ocorreu na cidade de Irati, no Paraná. Giovanna perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Giovanna, não esquecida, sempre valorizada. 

Grabrielly, você faz falta! 

Com apenas 24 anos de idade, no dia 04 de abril de 2023, Gabrielly Pogogelski foi tirada do convívio de seus familiares e amigos, deixando seus dois filhos. Grabrielly perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Grabrielly, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Eliane! 

Era para ser mais um sábado comum, dia 08 de abril de 2023, na vida de Eliane Fernandes dos Santos, mas infelizmente não foi. O feminicida? Seu ex-companheiro, Alaor Flores, agrediu também o filho da vitima, de apenas 15 anos, mas felizmente ele sobreviveu. O feminicídio ocorreu na cidade de Tupãssi, no Paraná. Eliane perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Eliane, não esquecida, sempre valorizada. 

Patrícia, você faz falta! 

Com apenas 31 anos de idade, Patrícia Aparecida de Paula Santos foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu no município de Matinhos, no Paraná.  Patrícia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Patrícia não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Naiara! 

Poderia ter sido um dia comum, mas infelizmente não foi. Dia  09 de abril de 2023, domingo, Naiara Paula da Conceição, de 29 anos, perde a vida. O feminicida? Seu ex-companheiro, de 38 anos, que não aceitava o fim do relacionamento. O feminicídio aconteceu em Curitiba, no Paraná. Naiara perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Naiara, não esquecida, sempre valorizada. 

Elisângela, você faz falta! 

Era uma segunda-feira, começo de mais uma semana de trabalho, dia 17 de abril de 2023, quando a vida Elisângela Ferreira, de 41 anos, chegou ao fim. O feminicida? Seu ex-companheiro, considerado o principal suspeito. O feminicídio ocorreu na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná e o filho da vitima, de apenas 15 anos, presenciou o crime. Elisângela perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Elisângela, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Mulher! 

Era uma segunda-feira, começo de mais uma semana, dia 17 de abril de 2023, quando a vida de uma mulher, não identificada, de 33 anos, chega ao fim. O feminicídio ocorreu na cidade de Curitiba, capital do Paraná. Ela perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

Clemair, você faz falta! 

Era uma segunda-feira, começo de mais uma semana de trabalho, dia 17 de abril de 2023, quando a vida Clemair Sutil chegou ao fim. O feminicida? Seu ex-companheiro. O feminicídio ocorreu na cidade de São João, no Paraná. Clemair perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta. 

 Clemair, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Letícia! 

Poderia ser mais um dia comum, no dia 24 de abril de 2023, na residência de Letícia dos Santos, de apenas 25 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu marido, de 33 anos, em Curitiba, capital do Paraná. A vítima deixou dois filhos e não teve possibilidade defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Letícia, não esquecida, sempre valorizada. 

Kameron, você faz falta! 

Era para ser uma quarta-feira comum, dia 27 de abril de 2023, na vida Kameron, de apenas 11 anos, mas infelizmente não foi. Kameron saiu para fazer um trabalho na escola na casa de sua colega, um dia antes, dia 26 de abril, no entanto desapareceu e foi encontrada sem vida no dia posterior. O feminicida? Seu padrasto, considerado o principal suspeito. O feminicídio ocorreu na cidade de Guaraqueçaba, no Paraná. Kameron perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Kameron, não esquecida, sempre valorizada.

Você faz falta, Suelem! 

Poderia ser mais um dia comum, no dia 5 de maio de 2023, na casa de Suelem Aparecida dos Santos Roberto, de 25 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu irmão, em Apucarana, no Paraná. Suelem tinha uma filha de oito na anos e estava grávida de cinco meses e perdeu sua vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Suelem, não esquecida, sempre valorizada. 

Laine, você faz falta! 

Poderia ser mais uma terça-feira comum, no 09 de maio de 2023, na vida de Laine Mendonça, de 44 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu namorado, em Japurá, no Paraná. O feminicídio tentado na terça-feira culminou na sua morte, na sexta-feira, dia 12 de maio. Laine perdeu sua vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Laine, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Izabely! 

A pequena Izabely, de apenas 8 anos, saiu para comprar um lanche na noite do dia 11 de maio de 2023, quinta-feira, quando um homem a perseguiu. Infelizmente, sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu na cidade de Curitiba e causou grande comoção entre a população. Izabely perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Izabely, não esquecida, sempre valorizada. 

Mulher, você faz falta! 

Era para ser um fim de tarde de sexta-feira, no dia 12 de maio de 2023, a vida de uma mulher, com o nome não divulgado, de 42 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos.  O feminicida? Seu ex-companheiro, de 49 anos, principal suspeito. O feminicídio ocorreu na cidade de Reserva, no Paraná. Essa Mulher perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta. 

Mulher, não esquecida, sempre valorizada! 

Maria Cecília, você faz falta! 

Poderia ser mais uma sábado comum, no 13 de maio de 2023, na vida de Maria Cecília, de apenas 4 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu pai, em Terra Rica, no Paraná. Maria Cecília perdeu sua vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta. 

Maria Cecília, não esquecida, sempre valorizada! 

Você faz falta, Vanessa! 

Em 13 de maio de 2023, era para ter sido um sábado como outro qualquer, mas para Vanessa Emanuelle, de apenas 23 anos, não foi. Vanessa foi tirada do convívio de seus familiares e amigos, na cidade de São José dos Pinhais, estado do Paraná.  Vanessa perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Vanessa, não esquecida, sempre valorizada.  

Raynanda, você faz falta! 

Era uma manhã de segunda-feira, dia 22 de maio de 2023, quando Raynanda Mineiro, de 34 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu namorado, Gabriel Henrique Lucas Aguiar, de 22 anos, principal suspeito. O transfeminicídio ocorreu na cidade de Colombo, no Paraná. Raynanda perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Raynanda, não esquecida, sempre valorizada.   

Vocês fazem falta, Ellen e filha! 

Era uma segunda-feira, dia 22 de maio de 2023, quando as vidas de uma mãe, Ellen Craveiro, e de sua filha chegam ao fim. A mulher, com apenas 21 anos, e a criança , com 5 anos, perderam a vida sem possibilidade de defesa. O feminicídio foi cometido supostamente pelo ex-companheiro de Ellen, em Jacarezinho, no Paraná. Elas não são mais um número nas estatísticas. Elas são vidas que fazem falta.   

Ellen e filha, não esquecidas, sempre valorizadas.  

Rosa, você faz falta! 

Em 24 de maio de 2023, era para ter sido uma quarta-feira como outra qualquer, mas para Rosa de Oliveira, de 38 anos, não foi. Rosa foi brutalmente tirada do convívio de seus familiares e amigos, na cidade de Guamiranga, estado do Paraná. O feminicida? Seu namorado, principal suspeito. Rosa perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Rosa, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, Maira de Fátima! 

Poderia ser mais um dia comum, 25 de maio de 2023, na vida de Maira de Fátima, de 37 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente pelo seu companheiro, de 39 anos, após ele não aceitar o pedido de divórcio. Maira perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Maira, não esquecida, sempre valorizada.  

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com nome não divulgado, teve sua vida interrompida na quinta-feira, dia 25 de maio de 2023. O feminicídio ocorreu na cidade de Curitiba, capital do Paraná. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Mulher! 

Uma mulher, com nome não divulgado, teve sua vida interrompida na sexta, dia 27 de maio de 2023. O feminicídio ocorreu na residência da vítima e foi cometido supostamente marido, na cidade de Assis Chateubriand, no Paraná. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

Daiane, você faz falta! 

Era um domingo, dia 28 de maio de 2023, quando Daiane de Jesus Oliveira foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu no município de Cascavel, no Paraná. Daiane perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Daiane, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Claudineia! 

Poderia ser mais um dia comum, 28 de maio de 2023, na vida de Claudineia Pedroso, de 28 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu ex-marido. Claudineia perdeu a vida sem possibilidade de defesa e deixou suas 2 filhas. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Claudineia, não esquecida, sempre valorizada.

Franciele, você faz falta! 

Era uma quarta-feira, dia 31 de maio de 2023, quando Franciele Gusso Rigoni, de 35 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu marido, José Adar Lago, de 40 anos. O feminicídio ocorreu em Colombo, no Paraná. Franciele perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Franciele, não esquecida, sempre valorizada.   

Você faz falta, Renata! 

Poderia ser mais um dia comum, 03 de junho de 2023, na vida de Renata Rechi da Silva, de 28 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu em Londrina, no Paraná. Renata perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Renata, não esquecida, sempre valorizada.  

Sandra, você faz falta! 

Em 04 de junho de 2023, era para ter sido um domingo como outro qualquer, mas para Sandra Mara dos Santos, de 49 anos, não foi. Sandra foi brutalmente tirada do convívio de seus familiares e amigos, na cidade de Londrina, estado do Paraná. Ela chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Sandra perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Sandra, não esquecida, sempre valorizada.

Você faz falta, Mirela! 
 

Era um sábado, dia 17 de junho de 2023, quando a jovem Mirela Maiara Ewerling Luis, de apenas 26 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu marido, Gian Diego Maieski, de 28 anos. O feminicídio ocorreu em Irati, no Paraná. Mirela perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mirela, não esquecida, sempre valorizada.

Claudia, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 17 de maio de 2023, na vida de Claudia Gabrielle Vaz, de apenas 23 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente por seu companheiro, Luiz Carlos Rodrigues, em Londrina, no Paraná. Claudia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Claudia, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, Márcia! 

Era um sábado, dia 17 de junho de 2023, quando Márcia Regina Cândido, de 27 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O principal suspeito é um homem, de 57 anos. O feminicídio ocorreu em Teixeira Soares, no Paraná. Márcia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Márcia, não esquecida, sempre valorizada.   

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com nome não divulgado, teve sua vida interrompida na manhã de domingo, dia 18 de junho de 2023. O feminicídio ocorreu em Curitiba, na capital Paraná. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

Você faz falta, Suzane! 

Poderia ser mais um dia comum, 19 de junho de 2023, na vida de Suzane Chaves, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente pelo ex-companheiro, em Medianeira, no Paraná. Suzane perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Suzane, não esquecida, sempre valorizada.  

Vanessa, você faz falta! 

Era manhã de terça-feira, dia 20 de junho de 2023, quando Vanessa Camargo, de 24 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu ex-marido, Luan Lucas Cardoso, de 28 anos, principal suspeito. O feminicídio ocorreu em Araucária, no Paraná. Vanessa perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Vanessa, não esquecida, sempre valorizada.   

Lolanda, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 29 de junho de 2023, na casa de Lolanda Silveira de Oliveira, de 69 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu em Cascavel, no Paraná. Lolanda perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Lolanda, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, Ingrid. 

Era sexta-feira, dia 7 de julho de 2023, quando Karine Saldanha Openkoski, de apenas 19 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu ex-marido, de 61 anos, principal suspeito. O feminicídio ocorreu em Cascavel, no Paraná. Ingrid perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Ingrid, não esquecida, sempre valorizada. 

Sandra, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 08 de julho, na vida de Sandra Mara Borba, de 49 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu em Pontal do Paraná. Sandra perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Sandra, não esquecida, sempre valorizada.

Taciana, você faz falta! 

Era para ser uma terça-feira comum, dia 11 de julho de 2023, na vida de Taciana, mas infelizmente não foi. Taciana perdeu sua vida e o feminicida? Seu namorado, considerado o principal suspeito. O feminicídio ocorreu na cidade de Cascavel, no Paraná e a mulher deixou dois filhos. Taciana perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.  

Taciana, não esquecida, sempre valorizada. 

Silvia, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 10 de julho de 2023, na casa de Silvia Cristina Alvez, de 56 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido por seu marido em Londrina, no Paraná. Silvia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Silvia, não esquecida, sempre valorizada

Sandra, você faz falta! 

Em 14 de julho de 2023, era para ter sido um começo de semana como outro qualquer, mas para Sandra Mari Souza Santos não foi. Sandra foi brutalmente tirada do convívio de seus familiares e amigos, na cidade de Piraquara, estado do Paraná. Sandra perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Sandra, não esquecida, sempre valorizada.  

Beatriz, você faz falta! 

Era um sábado, dia 15 de julho de 2022, quando Beatriz Cristina Domingues, de apenas 22 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu ex-marido, que já tinha registros de violência doméstica. O feminicídio ocorreu em Apucarana, no Paraná. Beatriz perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Beatriz, não esquecida, sempre valorizada. 

Edvane, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 22 de julho de 2023, na vida de Edvane Castilho do Carmo Lombas, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido por um atirador identificado como Rogério Carlos de Oliveira, em São João do Ivaí, no Paraná. Edvane perdeu a vida sem possibilidade de defesa.  Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Edvane, não esquecida, sempre valorizada.  

Daiane, você faz falta! 

Era um sábado, dia 22 de julho de 2023, quando Daiane Anastácia Ribeiro foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Seu marido. Daiane perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Daiane, não esquecida, sempre valorizada.  

Priscila, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 23 de julho de 2023, na casa de Priscila da Silva, de 27 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente pelo ex-marido. Priscila perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Priscila, não esquecida, sempre valorizada. 

Rosana, você faz falta! 

O dia 14 de agosto de 2023 era para ter sido um começo de semana como outro qualquer, mas para Rosana Ferreira dos Santos, de 41 anos, não foi. Ela foi tirada de nós, vítima de feminicídio. O crime ocorreu na cidade de Moreira Sales, estado do Paraná. Rosana perdeu a vida sem possibilidade de defesa. O suspeito do feminicídio é seu companheiro. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Rosana, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com nome não divulgado, teve sua vida interrompida no dia 15 de agosto de 2023. O feminicídio ocorreu na cidade de Campo Largo, no Paraná. O caso está em processo de investigação. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Ângela, você faz falta! 

Era uma quinta-feira, dia 17 de agosto de 2023, quando Ângela Maria Vicente Machado, de 42 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio ocorreu em Castro, no Paraná. Ângela perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Ângela, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Mariele, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 23 de agosto de 2023, na casa de Mariele Bueno Pires, de 20 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O autor confesso do feminicídio é Carlos Alberto Dias Domingues, um desconhecido para Mariele. O crime ocorreu em Ponta Grossa, no Paraná. Mariele era atendente de farmácia e teria completado 21 anos de idade em setembro. Fará falta para seu marido, amigos, familiares. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mariele, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Daniela, você faz falta! 

Dia 1º de setembro. Era para ter sido um fim de semana como outro qualquer, mas para Daniela Carolina Marinelo, de apenas 27 anos, não foi. Daniela foi brutalmente tirada de nós, na cidade de Maringá, estado do Paraná. O suspeito é seu parceiro, Kenny Aisley Rogério Vasconcellos Martins. Daniela era policial militar há pelo menos 10 anos. Era querida por seus amigos, familiares e seus três filhos. Ela perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Daniela, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Júlia, você faz falta!

Era um domingo, dia 3 de setembro de 2023, quando Júlia, de apenas 23 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida? Supostamente Aaron Delece Dantas, stalker de sua colega de casa, que sobreviveu ao feminicídio. O feminicídio também tirou a vida de Daniel Takashi, de 22 anos. Júlia era estudante de Ciências Sociais na Universidade Estadual de Londrina. Faz falta para seus colegas, amigos e familiares. O feminicídio ocorreu em Londrina, no Paraná. Júlia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Júlia, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Maria, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 03 de setembro de 2023, na casa de Maria Teresinha Gurgel de Souza, de 80 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. Os suspeitos do feminicídio são a filha adotiva da vítima, um adolescente de 13 anos, e seu namorado, de 15 anos. O caso foi registrado em São José dos Pinhais, no Paraná. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Maria, não esquecida, sempre valorizada 

 

Ana Paula, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 4 de setembro de 2023, para Ana Paula Correa da Silva, de 34 anos, mas infelizmente sua vida interrompida, sendo privada do convívio de seus familiares e amigos. O suspeito do feminicídio é o ex-companheiro, Josias Leme, de 35 anos. Mais um crime contra a mulher, desta vez em Engenheiro Beltrão, no Paraná. Ana Paula tinha denúncias prévias contra o feminicida e uma medida protetiva de urgência, mas não foi suficiente para sua defesa. Ela deixou um casal de filhos pequenos, sua família e amigos e muita saudade. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Ana Paula, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Sirlene, você faz falta! 

Era para ser um início de semana normal, dia 4 de setembro de 2023. Sirlene Rocha, de 39 anos, foi assassinada e o suspeito do feminicídio é seu ex-companheiro. O feminicídio ocorreu em Foz do Iguaçu, no Paraná. Sirlene perdeu a vida sem possibilidade de se defender. Sirlene deixou um filho de 14 anos. Sua prima a descreveu como “uma pessoa tão maravilhosa, meiga e doce”. Ela fará muita falta para seus amigos, conhecidos e familiares. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Sirlene, não esquecida, sempre valorizada.   

 

Cristiane, você faz falta! 

Em 11 de setembro de 2023 Cristiane Roberta da Silva Alves, de 42 anos, foi vítima de mais um feminicídio no Paraná, desta vez em Paranavaí, no Noroeste do estado. O suspeito do crime é Adelmo Ricardo Frois, ex-parceiro de Cristiane, contra quem ela possuía duas medidas protetivas. Cristiane foi tirada de seus três filhos, de 12, 21 e 25 anos. Ela merecia uma vida completa, mas essa oportunidade foi retirada dela. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   


Cristiane, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com nome não divulgado, de 38 anos, teve sua vida interrompida na quinta-feira, dia 14 de setembro de 2023. O feminicídio ocorreu na residência da vítima e foi cometido supostamente por seu companheiro, de 46 anos, na cidade de Querência do Norte, no Paraná. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com nome não divulgado, foi encontrada no dia 22 de setembro de 2023, na área rural de Maringá, no Paraná. O feminicídio está em processo de investigação. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta. Mulher, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Terezinha, você faz falta! 


Era um sábado, dia 23 de setembro de 2023, quando Terezinha Aparecida Portela Pires, de 50 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O autor confesso do crime é seu companheiro, Felipe Leão Caldas. O feminicídio ocorreu em Guarapuava, no Paraná. Terezinha merecia uma vida completa, mas foi vitimada pelo feminicida. Os vizinhos de Terezinha a descreviam como uma “mulher bonita, trabalhadora e querida”. Ela foi tirada de sua filha e de sua mãe, de quem cuidava. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Terezinha, não esquecida, sempre valorizada.   

 

Viviane e filha, vocês fazem falta! 

Poderia ser mais uma quarta-feira comum, 27 de setembro de 2023, na casa de Viviane Alécio Brun, de 43 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicídio foi cometido supostamente pelo ex-companheiro, Eberson Merci de Assis, em Umuarama, no Paraná. Sua filha, de 21 anos, também sofreu atentado, mas felizmente sobreviveu ao feminicídio. Além de sua filha, Viviane também fará falta para seu filho, de seis anos, que presenciou o crime. 

Viviane era professora de artes. Seus alunos, que fizeram homenagem a ela após sua morte, sentirão sua falta. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Viviane e filha, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Andreia, você faz falta! 

O dia 28 de setembro de 2023, era para ter sido uma quinta-feira como outra qualquer, mas para Andreia Darly Kitian de Oiveira, de 62 anos, não foi. Andreia foi brutalmente tirada de nós, na cidade de Maringá, estado do Paraná. Andreia perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Andreia, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Magali, você faz falta! 

Dia 1º de outubro. Era para ter sido um domingo de descanso, lazer e diversão, mas para Magali Lopes Machado, de 38 anos, não foi. Magali foi brutalmente tirada de nós, na cidade de Medianeira, estado do Paraná. Ela perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.    

Magali, não esquecida, sempre valorizada 

 

Cirlei, você faz falta! 

O dia 03 de outubro de 2023 era para ter sido um começo de semana normal, com trabalho e afazeres diversos, mas para Cirlei do Rocio Henrker, de 51 anos, não foi. Cirlei foi brutalmente tirada de nós, na cidade de Almirante Tamandaré, estado do Paraná. Ela trabalhava em uma empresa de limpeza e, quando não compareceu nesse dia, sua filha a encontrou, ainda viva, em sua casa. Ela deixou cinco filhos e muita saudade. Cirlei merecia uma vida completa, mas foi interrompida injustamente. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Cirlei, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Laiz, você faz falta! 

O dia 04 de outubro de 2023 será lembrado para sempre pelos parentes e amigos de Laiz Nascimento Silva, de apenas 22 anos. Laiz foi morta na cidade de Foz do Iguaçu, estado do Paraná. O suspeito é seu ex-parceiro, Rubens Medina Moreno, de 30 anos. Laiz deixou um filho pequeno. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Fernanda, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Lucimari, você faz falta! 

Era uma quinta-feira, dia 05 de outubro de 2023, quando Lucimari Ribeiro, de 52 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O suspeito é Hélio Aracheski, conhecido de Lucimari. O feminicídio ocorreu em São Mateus do Sul, no Paraná. Lucimari trabalhava em uma clínica odontológica. Ela deixou sobrinhos, família, amigos. Merecia uma vida completa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Lucimari, não esquecida, sempre valorizada.   

 

Amanda, você faz falta! 

Poderia ser mais um dia comum, 06 de outubro de 2023, na casa de Amanda Woiczak, de 27 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O feminicida suspeito é seu ex-marido, Leandro Roberto da Silva Galvão. O crime ocorreu em Foz do Iguaçu, no Paraná. Amanda tinha a vida inteira pela frente. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Amanda, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Claci, você faz falta! 

O dia 09 de outubro de 2023 era para ter sido um começo de semana com muitas atividades, mas para Claci Maria Hansel, de 73 anos, não foi. Claci foi morta na cidade de Santa Terezinha de Itaipu, estado do Paraná. O suspeito é um conhecido da vítima, Marcos Antônio Vicente, de 59 anos. Claci perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Claci, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Márcia Regina Sanches 

Poderia ser mais um dia comum, 22 de outubro de 2023, na casa de Márcia Regina Sanches, de 37 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O suspeito do feminicídio é o marido da vítima. O crime ocorreu em Ivaiporã, no Paraná. Márcia merecia uma vida completa, mas foi interrompida muito cedo. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Marcia, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Rosinei Monteiro 

Era um domingo, dia 22 de outubro de 2023, quando Rosinei Monteiro, de 51 anos, foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. Os feminicidas? Supostamente o casal Sabrina de Alencar Custódio, 24 anos, e Gederson Neves de Brum, 31, este último, traficante que fornecia drogas à vítima. O sobrinho de Rosinei, que não tinha uma boa relação com ela, facilitou a entrada do casal. O feminicídio ocorreu em Umuarama, no Paraná. Rosinei perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Rosinei, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Alexandra, você faz falta! 

O dia 22 de outubro de 2023 era para ter sido um domingo de diversão, mas para Alexandra Aparecida Santos, de 41 anos, não foi. Alexandra foi morta, tirada de nós, na cidade de Mangueirinha, estado do Paraná. Alexandra perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Alexandra, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Geni Aparecida de Lima 

Dia 24 de outubro de 2023 era para ter sido um começo de semana de trabalho, mas para Geni Aparecida de Lima, de 49 anos, não foi. Geni foi morta na cidade de Guarapuava, estado do Paraná. Ela deixou muita saudade para sua família, seus amigos, seus conhecidos. Geni perdeu a vida sem possibilidade de defesa. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Geni, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Maria Lúcia Rosa Ferreira 

Poderia ser mais um dia comum, 27 de outubro de 2023, na casa de Maria Lúcia Rosa Ferreira, de 59 anos, mas infelizmente sua vida foi tirada do convívio de seus familiares e amigos. O suspeito do feminicídio é seu filho. O crime ocorreu em Araucária, no Paraná. Maria Lúcia merecia uma vida completa, mas não teve essa oportunidade. Ela não é mais um número nas estatísticas. Ela é uma vida que faz falta.   

Maria Lúcia, não esquecida, sempre valorizada. 

 

Mulher, você faz falta! 

Com marcas de violência, uma mulher cadeirante de 53 anos foi encontrada sem vida em sua casa em Piraquara, no Paraná, na quarta-feira de 29 de novembro de 2023. A identidade e muitos detalhes de sua vida são desconhecidos, mas a brutalidade de seu fim fala por si e contém indícios de feminicídios. Este caso destaca a dupla vulnerabilidade enfrentada pelas mulheres com deficiência. Em um mundo onde a segurança é muitas vezes um privilégio, a morte desta mulher sublinha a necessidade de proteção e defesa dos direitos das pessoas com deficiência. 

Suely, você faz falta! 

Suely, uma mulher branca, aos 65 anos, teve sua história interrompida por golpes de uma arma branca em Curitiba, no Paraná. Seu último suspiro em uma luta desesperada contra o suspeito, seu namorado, marca mais um feminicídio na cidade. A tragédia de Suely deixa uma mensagem dolorosa sobre a vulnerabilidade das mulheres, independentemente da idade. Sua morte, ocorrida na segurança presumida de seu lar, levanta questões profundas sobre a violência escondida atrás das portas fechadas. 

Suely, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Mulher, você faz falta! 

Ainda em pleno Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, 25 de novembro, Mauá da Serra, no Paraná, tornou-se cenário de uma descoberta sombria. O corpo de uma mulher, com identidade não revelada, foi encontrado em avançado estado de decomposição em uma casa abandonada. Sem identidade revelada, sem idade conhecida, ela representa as vítimas invisíveis da sociedade. Seu caso, ainda não esclarecido, fala das histórias não contadas, das vidas que se desvanecem sem testemunhas. Em meio à quietude urbana, o enigma de sua morte ecoa um chamado por atenção e justiça para as muitas que são esquecidas. 

 

Angélica, você faz falta! 

Em pleno Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, 25 de novembro, um sábado, em Curitiba, no Paraná, em um ato de amor final e desespero, Angélica, uma mulher branca, aos 33 anos, salvou seu filho pela janela antes de enfrentar seu agressor. Em Curitiba, seu lar, que deveria ser um santuário de segurança e amor, tornou-se o palco de sua luta final pela vida. Angélica foi vítima de uma violência íntima infligida por alguém que ela conhecia intimamente, seu companheiro. As facadas que silenciaram sua vida são um grito ensurdecedor contra a violência doméstica que aflige tantas mulheres. Sua coragem em um momento de terror extremo, tentando proteger seu filho e a si mesma, deixa um legado de bravura e um poderoso chamado à ação para prevenir tais tragédias. A memória de Angélica, agora entrelaçada com a de tantas outras que foram tiradas de nós, ecoa um clamor por mudança, justiça e um futuro onde cada mulher possa viver sem medo em sua própria casa. 

Angélica, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Luciane, você faz falta! 

Luciane, uma mulher branca, de idade desconhecida, teve sua vida interrompida numa terça-feira de novembro, em Ipiranga, no Paraná. As circunstâncias de sua morte nos falam sobre as sombras que um relacionamento íntimo pode esconder e a terrível decisão de um homem, de 38 anos, que tomou a vida de Luciane com uma arma branca. Sem mais informações sobre sua vida, idade e cor, Luciane se torna um símbolo das vítimas esquecidas e das histórias não contadas. Sua morte, agora um triste lembrete da violência íntima que ocorre longe dos olhos do mundo, ressoa com a necessidade urgente de justiça e de mudanças que protejam as mulheres contra esses atos extremos de violência. 

Luciane, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher portadora de deficiência, sem identidade divulgada, que deveria ser protegida e amada, encontrou seu trágico destino em 21 de novembro, uma terça-feira, em Capanema, no Paraná, em circunstâncias com indícios de feminicídio. Desaparecida, sua ausência já sussurrava temores, até que a verdade revelou-se em toda a sua crueldade. Sua jornada foi interrompida, mas sua história permanece, contando sobre a necessidade de um mundo mais justo e seguro para todas. 

 

Sirlei, você faz falta! 

Na quietude de uma terça-feira, em Bom Sucesso do Sul, no Paraná, Sirlei, uma mulher branca de idade desconhecida, foi vítima de um ato extremo de violência feminicida dentro de seu próprio lar. Os disparos que tiraram sua vida também anunciaram uma tentativa de silenciar para sempre o autor desse crime. Sirlei deixa um rastro de perguntas e de luto. A arma de fogo, um instrumento de violência final, não pode apagar a história de Sirlei nem a necessidade de lembrar sua vida e as circunstâncias de sua morte. Ela, que enfrentou seu destino mais sombrio em um lugar onde deveria encontrar segurança e amor, agora é um símbolo da necessidade urgente de combater a violência doméstica e proteger as vidas das mulheres em suas próprias casas. Sem denúncias prévias conhecidas, sua história é um lembrete silencioso de que o perigo pode estar onde menos se espera. Que a memória de Sirlei inspire esforços contínuos para criar um mundo mais seguro para todas as mulheres. 

Sirlei, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Mulher, você faz falta! 

Uma mulher, com identidade não revelada e declarada nas notícias como pessoa em situação de rua, encontrou um fim injusto e trágico em um domingo, em Toledo, no Paraná. Sem nome, idade ou cor para iluminar sua história, ela simboliza a luta silenciosa de inúmeras mulheres. Seu destino, selado pela violência, é um chamado sombrio para reconhecer e enfrentar a realidade da violência contra mulheres. 

 

Carolina, você faz falta! 

Na quietude de um sábado, Santo Antônio da Platina testemunhou o fim trágico de Carolina Regina do Nascimento, uma jovem de 25 anos. Seu mundo, outrora cheio de possibilidades, foi abruptamente limitado pelas bordas afiadas de uma arma branca. Carolina foi vítima de um dos crimes mais perversos, perpetrado por um familiar direto. Sua vida, interrompida em um momento de vulnerabilidade, clama por justiça e ressoa com a urgência de proteger todas as mulheres. Seu feminicídio, ocorrido em sua própria residência, um lugar que deveria ser de segurança e proteção, tornou-se um triste símbolo da luta contra a violência doméstica.
A memória de Carolina, embora marcada pela tragédia, inspira uma luta incansável por um amanhã onde cada mulher possa viver livre do medo. 

Carolina, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Roseli, você faz falta! 

Numa tarde misteriosa, uma mulher foi encontrada sem vida, sua existência abruptamente interrompida. Em meio à mata, longe dos olhares do mundo, ela foi deixada, mas não esquecida. Roseli, de 38 anos, foi encontrada, no feriado de 15 de novembro, uma quarta-feira, em Coronel Domingos Soares, no Paraná, encerrando sua jornada de maneira trágica e precoce. Roseli, cuja história agora é contada em sussurros e lágrimas, deixa uma lacuna que jamais será preenchida. 

Roseli, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Izabel, você faz falta! 

Numa segunda-feira de novembro, o mundo perdeu Izabel, uma mulher de 41 anos que tinha dois filhos pequenos. Em meio ao lugar que deveria ser seu refúgio, ela encontrou o fim, não pela natureza, mas pela mão daquele que prometeu amor. Seu agressor iniciou o ataque, com faca, na presença dos filhos. O crime aconteceu em Araucária, no Paraná. Seu caso, marcado pela violência doméstica com arma branca, nos lembra dolorosamente de que muitas histórias são silenciadas antes mesmo de serem contadas. Izabel, cuja imagem permanece na memória daqueles que a amavam, teve uma partida marcada pela brutalidade e deixa um legado de luta e a lembrança de que a violência não pode ser o fim da história. 

Izabel, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Mulher, você faz falta! 

Em um domingo de novembro, a cidade de Foz do Iguaçu foi palco de uma tragédia silenciosa. Uma mulher de 49 anos, sem identidade revelada, teve sua vida abruptamente encerrada em sua própria casa, com indícios de feminicídio. Sem uma imagem para lembrá-la, sem uma cor para descrevê-la, ela se junta a tantas mulheres cujas histórias são deixadas nas sombras. Seu destino, marcado pela violência de uma arma branca, reflete uma realidade dolorosa e ainda presente na vida de muitas. Em meio à vida urbana da cidade, sua história, ainda envolta em mistério e investigação, nos lembra da urgente necessidade de proteção e justiça para todas as mulheres. 

Andreia, você faz falta! 

Em Jacarezinho, numa quinta-feira de novembro, a vida de Andreia Ramos Cirino, uma mulher branca de 30 anos, foi brutalmente interrompida e sua história foi tragicamente encurtada. Andreia, que estava grávida de sete meses e tinha um filho pequeno, enfrentou o inimaginável em sua própria casa, um lugar que deveria ser de amor e segurança. A violência que a atingiu veio na forma de uma arma de fogo, um símbolo da brutalidade que ainda assombra tantas mulheres. Sua história, marcada pela complexidade de um relacionamento passado, ressoa com a urgência de proteção e justiça para todas as mulheres, lembrando-nos da necessidade de olhar com mais atenção e cuidado para aquelas que estão ao nosso redor. 

Andreia, não esquecida, sempre valorizada.  

Mulher, você faz falta! 

Em uma segunda-feira de novembro, na cidade de Mariluz, uma mulher de 47 anos teve sua vida ceifada dentro dos muros de sua própria casa em uma cena com indícios de feminicídios. Sem informações detalhadas sobre sua vida ou seu agressor, sua história se torna um espelho das inúmeras lutas não contadas contra a violência de gênero. Essa incerteza ressoa como um lembrete pungente de que cada história não contada é uma perda inestimável. Sua memória permanece, um chamado silencioso por justiça e mudança. 

Simoni, você faz falta! 

Em um dia que se vestiu de luto, Simoni, mulher branca, aos 35 anos, teve sua jornada interrompida. Atacada mortalmente em seu local de trabalho, em Francisco Beltrão, no Paraná, Simoni tornou-se um rosto na multidão de histórias não contadas e dolorosas. A lâmina fria cortou não apenas sua pele, mas também o fio da esperança de um futuro melhor. A ausência de notícias de prisão da pessoa suspeita ecoa no silêncio que tantas vezes envolve o feminicídio, e seu caso, ainda sem esclarecimento, grita por justiça e mudança. 

Simoni, não esquecida, sempre valorizada.  

Mulher, você faz falta!
Em um trágico episódio, perdemos uma mulher de 65 anos em Maringá, vítima de um ciúme doentio que roubou sua preciosa existência. No doloroso 1º de dezembro de 2023, ela foi silenciada pela asfixia nas mãos daquele que afirmava nutrir um sentimento de “amor”. Uma mulher cuja vida foi tragicamente interrompida, deixando-nos consternados diante do flagelo do feminicídio. Que sua lembrança nos inspire a buscar um mundo onde o amor seja verdadeiramente sinônimo de respeito e proteção. 

Você faz falta, Eduarda.
Em um triste episódio que comove nossos corações, Eduarda Batista Stadler saiu para comprar um lanche em uma tarde comum, no dia 20 de setembro, e não retornou mais. Com apenas 18 anos, Eduarda, uma jovem mulher repleta de sonhos e toda uma vida pela frente, foi vítima de um ato covarde, ceifando prematuramente sua existência. A tragédia se desdobrou quando ela foi encontrada baleada em uma estrada rural em Ponta Grossa. Hoje, lembramos Eduarda não apenas como uma jovem mulher branca, mas como um ser humano cheio de potencial, cuja luz foi apagada pela violência do feminicídio. Que sua memória nos mova a lutar por um mundo onde a vida e os sonhos das mulheres sejam respeitados e preservados. 

Eduarda, não esquecida, sempre valorizada.  

Alanis, você faz falta!
Em um dia que começou como tantos outros na vida de Alanis Hazielly Corniani, a tragédia se abateu sobre ela em 26 de setembro. Aos 18 anos, com um futuro promissor pela frente, Alanis foi fatalmente baleada em sua própria casa, interrompendo brutalmente a possibilidade de continuar a construção de uma história repleta de alegria e sucesso. O suspeito, seu próprio namorado, perpetrador desse ato de violência, lançou uma sombra sobre a cidade de Arapongas. Que a memória de Alanis nos mova a refletir sobre a urgência de romper com o ciclo de violência, buscando um mundo onde a segurança e o respeito prevaleçam sobre a tragédia do feminicídio.

Alanis, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, mulher!
Num dia que deveria ser como tantos outros, em 31 de outubro de 2023, em Curitiba, uma mulher teve sua vida tragicamente interrompida. Após cumprir sua rotina matinal, deixando seus dois filhos na escola, ela foi surpreendida, supostamente, pelo próprio companheiro, que, lamentavelmente, portava uma arma de fogo. Nesse momento devastador, seus sonhos foram abruptamente destruídos. Em memória desta mulher, buscamos palavras que honrem sua existência, reconhecendo a tragédia do feminicídio que a atingiu. Que a sua história nos impulsione a lutar por um mundo onde a violência não encontre espaço, e onde a dignidade e o respeito prevaleçam. 
Num dia que deveria ser como tantos outros, em 31 de outubro de 2023, em Curitiba, uma mulher teve sua vida tragicamente interrompida. Após cumprir sua rotina matinal, deixando seus dois filhos na escola, ela foi surpreendida, supostamente, pelo próprio companheiro, que, lamentavelmente, portava uma arma de fogo. Nesse momento devastador, seus sonhos foram abruptamente destruídos. Em memória desta mulher, buscamos palavras que honrem sua existência, reconhecendo a tragédia do feminicídio que a atingiu. Que a sua história nos impulsione a lutar por um mundo onde a violência não encontre espaço, e onde a dignidade e o respeito prevaleçam. 

Mulher, você faz falta!
Em um dia que marcará para sempre nossos corações, em 30 de novembro de 2023, uma mulher de 63 anos desconhecia que esse seria o derradeiro momento para sonhar, viver e resistir. Em Londrina, seu destino cruel se revelou, tornando a realidade do feminicídio mais real. Encontrada sem vida em seu lar, vítima de uma perfuração por arma de fogo, lamentamos profundamente a perda dessa vida, que, em um ato de violência inaceitável, foi precocemente interrompida. Que a memória desta mulher nos inspire a lutar incansavelmente por um mundo onde a paz e o respeito prevaleçam sobre a tragédia do feminicídio. 

Erlita, você faz falta!
Em um doloroso rompimento com a ordem natural da existência, Erlita Aparecida Ribeiro Tiber, uma mulher negra de 56 anos, teve sua jornada interrompida de maneira trágica por aquele que deveria ser seu porto seguro: seu filho de 22 anos. Residente na cidade de Rio Negro, Erlita deixa um legado que ressoará através das gerações. Uma mulher de força inabalável, repleta de sonhos e determinação, cuja memória permanecerá eternamente viva em nossos corações. Que possamos, em sua homenagem, reafirmar o compromisso de lutar por um mundo onde o amor prevaleça sobre a violência, e onde as histórias como a de Erlita se tornem exceção, não a regra. 

Erlita, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, Margarita!
Recordamos com profunda tristeza a vida de Margarita Duarte, uma mulher sonhadora de 31 anos, cujo futuro promissor foi brutalmente interrompido pela ação desumana de, supostamente, seu ex-companheiro. Em um fatídico 12 de dezembro de 2023, Margarita teve sua trajetória encerrada pelo disparo de uma arma de fogo, um instrumento que não deveria jamais ser de fácil acesso. O lamento ecoa por Pato Bragado e além, estendendo-se a todos que, com pesar, testemunharam a perda dessa alma tão preciosa. Que a memória de Margarita nos conduza a um compromisso coletivo contra a violência de gênero, e que sua história seja um chamado constante à construção de um mundo onde a compaixão e o respeito prevaleçam sobre a tragédia. 

Margarita, não esquecida, sempre valorizada.  

Mulher, você faz falta!
Aos 30 anos, uma mulher teve sua jornada abruptamente interrompida pelas mãos, supostamente, daquele que deveria ser seu protetor e cuidador, seu companheiro. Uma jovem repleta de vitalidade, sonhos e projetos, cuja existência foi lamentavelmente ceifada sem o devido respeito. A comunidade de Pato Branco se entristeceu profundamente com a perda dessa vida preciosa. Que sua memória nos instigue a refletir sobre a urgência de combater o feminicídio e a criar um mundo onde todas as mulheres possam viver plenamente, seguras e respeitadas. 

Você faz falta, Mulher!
Em um dia que deveria transcorrer como tantos outros, o destino cruel surpreendeu-nos em 12 de outubro de 2023, fazendo com que Santa Terezinha de Itaipu testemunhasse a interrupção trágica de uma vida preciosa. Uma senhora, aos 73 anos, teve sua existência violada e abruptamente ceifada. A cidade inteira se deteve para lamentar a perda irreparável dessa mulher, cuja trajetória carregava consigo valores e respeito. Sentimos profundamente a dor dessa ausência, e sua memória, marcada por dignidade, ecoará eternamente em nossos corações. Que este triste episódio nos mova a reafirmar nosso compromisso com a erradicação do feminicídio e a construção de um mundo onde todas as vidas sejam protegidas e respeitadas. 

Mulher, você faz falta!
A intolerável discriminação e preconceito contra mulheres trans são crimes que desafiam a compreensão e abalam a nossa humanidade. Lamentavelmente, em Curitiba, no dia 14 de novembro de 2023, uma mulher, cuja identidade permanece guardada, teve sua vida brutalmente ceifada por essa crueldade inaceitável. Este trágico episódio serve como um doloroso lembrete de que a intolerância à diversidade de gênero não apenas existe, mas pode ser fatal. 

Você faz falta, Jaqueline!
Jaqueline Oliveira de Araújo, tinha apenas 42 anos quando perdeu a vida sem chance de defesa. Era 1º de dezembro de 2023 quando foi surpreendida, supostamente, pelo seu companheiro. Neste memorial, lembramos não apenas a data de sua partida, mas a essência e a humanidade que Jaqueline carregava consigo. Que a memória de sua presença inspire reflexão e ação para erradicar a violência que assombra tantas vidas. Em sua homenagem, comprometemo-nos a lutar por um mundo onde o respeito e a dignidade sejam alicerces inabaláveis de todas as relações. Que ela descanse em paz. 

Jaqueline, não esquecida, sempre valorizada.  

Idalina, você faz falta!
Num dia que deveria seguir a normalidade na vida de Idalina Pereira, uma senhora de 67 anos foi surpreendida por um jovem de 18 anos. Idalina, sem qualquer oportunidade de defesa, teve sua vida brutalmente interrompida pelo flagelo do feminicídio. Em memória dela, juramos mantê-la sempre presente, reconhecendo o valor que sempre teve. Que sua história nos sensibilize e nos motive a lutar incansavelmente contra a tragédia do feminicídio, assegurando que vidas como a de Idalina sejam respeitadas e protegidas. 

Idalina, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, Bruna!
Em uma trágica reviravolta do destino, Bruna Lemes Rosa, com apenas 27 anos, embarcou em um passeio no Parque Tarquínio, em Cascavel, sem suspeitar que esses seriam seus últimos momentos repletos de sonhos e vida. Infelizmente, ela foi vítima de uma brutal agressão, que cruelmente interrompeu sua existência, perpetrada por um conhecido de 38 anos. Diante desse ato covarde, honramos a memória de Bruna, recordando-a como uma alma preciosa cuja luz foi apagada prematuramente. Que sua história nos inspire a buscar um mundo onde a violência não encontre espaço e onde a empatia prevaleça sobre a brutalidade.

Bruna, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Karina, você faz falta!
Karina Costa, uma jovem de 20 anos, dedicada mãe de duas preciosidades, uma com 4 anos e a outra com tenros 6 meses. Descrever Karina vai além das palavras; era uma mãe forte, uma guerreira que desdobrava-se em amor pelos seus filhos. No trágico dia 20 de dezembro de 2023, em Palmas, seus sonhos foram abruptamente ceifados. Lamentamos profundamente a partida desta mulher notável, mãe exemplar e combatente incansável. Karina deixa-nos um legado de cuidado e afeto, que ecoará na vida de seus filhos. Sua ausência será sentida de maneira imensurável. 

Karina, não esquecida, sempre valorizada.  

Você faz falta, Camila!

Em um triste 10 de dezembro, perdemos Camila Prestes Rodrigues, uma jovem mulher de 26 anos, residente em Araucária. Sua vida, repleta de potencial e esperanças, foi interrompida de maneira brutal, tornando-a mais uma vítima do feminicídio. Em um lamento coletivo, recordamos Camila como uma alma que, apesar da tenra idade, tinha tanto a oferecer ao mundo. Que sua memória nos sensibilize e nos mobilize na luta contra a violência de gênero, para que mais vidas não sejam ceifadas prematuramente. Que possamos construir um futuro onde a segurança e o respeito sejam garantidos a todas as mulheres. 

Camila, não esquecida, sempre valorizada.  

Maria Luiza, você faz falta!

Com pesar, recordamos Maria Luiza Maian, uma mulher de 48 anos, residente em Floraí, que, sem suspeitar, vivia seus últimos momentos de vida e sonhos no aconchego de seu lar. Infelizmente, a tragédia se abateu sobre ela, supostamente pelas mãos de seu ex-companheiro, munido de uma arma de fogo, ceifando abruptamente sua existência. Expressamos nossa profunda tristeza diante da perda de Maria Luiza, cuja jornada foi interrompida de maneira tão cruel. Que sua memória seja honrada, e que sua história desperte em nós um compromisso renovado na luta contra o feminicídio, buscando um futuro onde todas as mulheres possam viver sem o temor da violência.

Maria Luiza, não esquecida, sempre valorizada.  

 

Você faz falta, Gabriela!

Em um dia que deveria ser como tantos outros na vida de Gabriela da Rosa, uma jovem de apenas 26 anos, a tragédia se abateu sobre Foz do Iguaçu em 13 de dezembro de 2023. A esperança e os sonhos que preenchiam a vida dessa jovem foram abruptamente interrompidos, tornando-a uma vítima cruel do feminicídio. Que sua memória não apenas nos comova, mas nos motive a lutar por um mundo onde a violência de gênero seja erradicada, e os sonhos das mulheres possam florescer em paz. 

Gabriela, não esquecida, sempre valorizada.  

Kelly, você faz falta!

Em um lugar que deveria ser um refúgio de segurança e conforto, a casa de Kelly Jaqueline Silva, uma mulher de 41 anos, tornou-se palco de uma tragédia inimaginável. No fatídico dia 22 de dezembro de 2023, em Foz do Iguaçu, Kelly foi cruelmente vítima de feminicídio, perpetrado por quem deveria ser seu companheiro na construção de uma vida compartilhada. Diante dessa perda irreparável, prestamos nossa homenagem a Kelly, cuja vida foi interrompida de maneira tão abrupta e injusta. Que sua memória nos impulsione a lutar incansavelmente por um mundo onde a violência de gênero não encontre espaço, e onde cada lar seja verdadeiramente um santuário de amor e proteção. 

Kelly, não esquecida, sempre valorizada.