Mulheres dedicam, em média, 9,6 horas a mais do que os homens às tarefas domésticas

Jornal da USP


atualizado 4 semanas atrás


A conciliação entre o trabalho fora de casa e os cuidados domésticos do lar e das pessoas dependentes, como filhos ou familiares idosos, ainda recaem quase que exclusivamente sobre as mulheres. É o que reflete os dados do IBGE, no ano de 2022, que apontam que as mulheres dedicaram, em média, 9,6 horas a mais do que os homens às tarefas domésticas. A jurista Regina Stela Corrêa Vieira, doutora pela USP e professora de Direito da Unifesp, explica que o cerne do problema está na divisão de tarefas contidas nas normativas sociais, nas quais as mulheres possuem mais responsabilidades.

Segundo a especialista, a sociedade carrega traços do machismo estrutural-histórico e atribui funções mais valorizadas aos homens, enquanto as mulheres são responsáveis pelas tarefas de cuidado no âmbito doméstico. “Essa divisão é naturalizada, como se os homens fossem destinados a serem empresários, políticos ou juízes, e as mulheres tivessem um dom nato de cuidarem da família e da casa”, afirma.

Regina Stela Corrêa Vieira – Foto: Arquivo Pessoal

Para Regina, a problemática desse cenário reside na pressão social e acontecimentos rotineiros, que acabam sendo internalizados no dia a dia da mulher e perpetuando estereótipos de desigualdades. 

Ela dá um exemplo: “Quando empresas perguntam às mulheres durante entrevistas de emprego sobre como elas planejam cuidar dos filhos e conciliar a rotina do trabalho, questões que são raramente direcionadas aos homens, estamos reforçando que a carga do cuidado do lar deve recair sobre elas”.

Essa desigualdade reflete em diferentes faixas etárias. “Mulheres entre 40 e 60 anos, por exemplo, muitas vezes têm que cuidar tanto de pais idosos quanto de filhos ainda dependentes, demandando uma atenção constante”, a professora explica.

Segundo dados do IBGE, desde cedo as meninas já dedicam mais tempo ao trabalho doméstico do que os meninos e essa disparidade aumenta ao longo da vida, chegando a uma média de quatro horas diárias para mulheres entre 20 e 60 anos, enquanto os homens dedicam, no máximo, uma hora por dia às mesmas tarefas.

A especialista também destaca a disparidade de gênero nos cuidados domésticos quando levados em conta os aspectos econômicos. “Nas classes sociais mais altas e médias, as mulheres têm acesso a recursos que lhes permitem delegar algumas responsabilidades, como contratar babás, empregadas domésticas e adquirir serviços externos, como alimentação pronta e matrículas em escolas particulares para os filhos.” Por outro lado, para as mulheres de classes sociais mais baixas e que possuem menos recursos financeiros, a dependência de redes de apoio informal, como vizinhos ou familiares, é ainda mais crucial para possibilitar sua participação no mercado de trabalho, o que, segundo a especialista, contribui para aprofundar essa desigualdade.

Responsabilidade exaustiva

Uma análise conduzida pela ONG Think Olga revelou que 86% das brasileiras sentem uma carga de responsabilidades exaustiva e 48% enfrentam dificuldades financeiras. Nesse cenário, 28% delas se colocam como únicas ou principais provedoras do lar, enquanto 57% das mulheres entre 36 e 55 anos têm a responsabilidade direta pelo cuidado de alguém.

Para lidar com essa realidade, Regina destaca a importância de políticas públicas que promovam uma redistribuição de tarefas domésticas e cuidado de dependentes mais equitativa, com o Estado desempenhando um papel central na implementação dessas medidas. “Ampliação de vagas em creches, extensão do horário de funcionamento dessas instituições, criação de restaurantes e lavanderias populares, além da expansão de equipamentos para o cuidado de pessoas com deficiência e acolhimento de idosos, são iniciativas importantes para reduzir a carga de trabalho”, assegura Regina.

No entanto, a especialista afirma que o preconceito ainda persiste, especialmente quando o assunto é licença-maternidade, o que cria disparidades nas responsabilidades e no reconhecimento entre homens e mulheres quanto a obrigações, dificultando a implementação de políticas que promovam a igualdade. “A conciliação entre trabalho e cuidados domésticos e familiares é um desafio complexo que exige mudanças estruturais na sociedade.” 

Para a especialista, o cuidado de dependentes tem que ser visto como uma responsabilidade compartilhada por toda a sociedade. “A noção de que somos indivíduos autossuficientes é uma falácia, dependemos uns dos outros para sobreviver.” Regina ainda reconhece que essa interdependência é fundamental para valorizar o trabalho realizado por milhões de mulheres diariamente, sem remuneração. “Sem cuidado, não há formação de novas gerações, bem-estar nos lares, saúde ou alimentação adequada”, conclui. 

Entrevista: Eduardo Nazaré – Texto: Júlia Valeri, estagiários sob supervisão de Ferraz Junior

Para saber mais clique aqui

Leia também

O aumento nos casos em diversos estados nos alerta para a urgência de ações eficazes na prevenção contra a mulher

Monitor de Feminicídos do Brasil Revela aumento alarmante e Estatísticas Preocupantes 

O Monitor de Feminicídios no Brasil divulgou os dados atualizados de 2024, revelando um aumento alarmante nos casos de feminicídios em todo o país. Segundo os números mais recentes, foram registrados 750 feminicídios consumados e 1693 casos de feminicídios consumados e tentados até o momento.  Destacando-se entre os estados mais afetados, São Paulo lidera com […]


É o que mostra o Atlas da Violência, com base em registros do SUS de 2022 — quando mais de 144 mil mulheres foram atacadas

Atlas da Violência mostra que a cada 46 minutos ocorreu um estupro no Brasil em 2022

Um estupro ocorreu a cada 46 minutos no país, em 2022. A constatação é do Atlas da Violência, publicado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Com base nos registros do Sistema Único de Saúde (SUS) daquele ano, mais de 144 mil mulheres foram vítimas de algum […]


Delegada Katarina recomendou a aprovação da proposta

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados aprovou projeto que transforma o feminicídio em um crime autônomo, agravando a pena dos atuais 12 a 30 anos para 20 a 40 anos de reclusão sem necessidade de qualificá-lo para aplicar penas mais rigorosas (PL 4266/23).

O projeto, do Senado, altera o Código Penal, a Lei das Contravenções Penais, a Lei de Execução Penal, a Lei de Crimes Hediondos e a Lei Maria da Penha. Pela legislação em vigor, o feminicídio é definido como crime de homicídio qualificado. Nesse caso, o fato de ser um assassinato cometido em razão da condição feminina […]


Meninas com até 14 anos são as maiores vítimas de abuso sexual, diz Atlas da Violência

Meninas de até 14 anos são as principais vítimas de violência sexual em comparação com mulheres adultas, conforme indica o Atlas da Violência 2024, divulgado na última terça-feira (18) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A análise revela que, em 2022, 30,4% das meninas de 0 a […]